2. Então, podemos cometer os pecados que queremos?


As pessoas crêem que fazer coisas boas ou más depende de suas decisões. O homem não quer ser nem homicida e nem adúltero, mas tampouco pode evitar de sê-lo. O pecado sai do homem. Ele é somente um instrumento.

Primeiro, o pecado domina o coração do homem, depois vem a tentação e finalmente o homem não quer mais pecar. É impossível pecar ou deixar de pecar pela nossa vontade.

Logo, cometer ou não cometer o pecado, o que importa é que Ele já nos remiu. A salvação não tem relação com a nossa obra.

A palavra de Deus diz: A verdade os libertará. Isso significa liberdade absoluta do pecado. Essa é a obra do nosso Senhor Jesus Cristo. Se alguém entende o evangelho e pensa: “Agora eu estou livre e posso cometer pecados que quiser.” Está muito enganado.

Se pudermos dizer que, mesmo que cometamos pecados, Deus já nos remiu perfeitamente; mas não podemos dizer que não haverá nenhum problema quando cometemos pecado.

Estamos muito agradecidos com a obra redentora de Jesus. Por esta razão é queremos segui-Lo, estar na Sua vontade e já não queremos mais viver no desejos da nossa carne. Mesmo que quiséssemos viver debaixo dessa vontade, Deus não nos permite, e nos disciplina com açoites.

Se eu não entendesse o evangelho, simplesmente iria para o inferno. Deus não teria necessidade de me castigar aqui na terra. Mas se a pessoa é filha de Deus, Deus o corrigirá e não permitirá que essa pessoa leve uma vida Cristã de libertinagem.

Em 2 Samuel 7:14-15 diz: “Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; se vier a transgredir, castigá-lo-ei com varas de homens e com açoites de filhos de homens. Mas a minha misericórdia se não apartará dele, como a retirei de Saul, a quem tirei diante de mim.”

O rei Davi é o reflexo de um filho de Deus pela fé na época da graça. Saul é um reflexo de uma pessoa que está debaixo da lei. Quando o homem estava debaixo da lei, cada pecado deveria ser pago. Ademais, Deus dava e tirava o Espírito Santo. Mas, na época da Graça, mesmo que um filho cometesse erros, Deus não tira o Espírito Santo nem a Sua misericórdia. Se como filho de Deus desonrar ao seu pai, Ele o castigará com a vara e açoite para restabelecer a relação do pai com o filho.

Então, se ele cometer pecados deliberadamente, o que acontecerá? Deus castigará aos seus filhos com toda a autoridade do pai.

Em Hebreus 12:6 diz: “porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho que recebe.”

Em Hebreus 12:9 diz: “Além disso, tínhamos os nossos pais segundo a carne, que nos corrigiam, e os respeitávamos; não havemos de estar em muito maior submissão ao Pai espiritual e, então, viveremos?”

Se vivermos em libertinagem, sem dúvida Deus irá nos castigar de Sua maneira. O castigo é para corrigir e não para pagar pelo pecado. O salário do pecado já foi pago na cruz. A cruz é para se passar de pecador para justo, o castigo é somente para corrigir o nosso caminho.

O pecador, mesmo que viva uma vida muito íntegra, continuará sendo pecador. Por outro lado, os justos não podem pecar deliberadamente porque um dia teremos que comparecer o tribunal de Cristo. Em 2 Coríntios 5:10 diz: “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo.” No tribunal de Cristo, cada pessoa salva receberá uma coroa incorruptível e será envergonhado e sofrerá prejuízo. O normal seria que um Cristão dedicasse a sua vida ao Senhor em agradecimento ao Seu amor. Mas se não fosse assim e viveria pelos seus desejos carnais, ele vai ser julgado, mas de nenhuma forma iria ao inferno. O Senhor já perdoou todo o seu pecado para sempre.

Se não existisse a eterna redenção do pecado, não poderíamos ter a certeza da vida eterna. De outra maneira teríamos que viver com muita insegurança.

Em Daniel 9:24 diz: “...para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a iniqüidade, para trazer a justiça eterna.”

Em Romanos 1:17 diz: “Visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.” A verdade de que o nosso pecado já se tornou mais branco do que a neve, não depende de nós, se não de Deus. A justiça de Deus não pode ser manchada.

Em Salmos 119:142 diz: “A tua justiça é justiça eterna”. A purificação do pecado dura para sempre. Se a justiça de Deus pudesse ter sido quebrada pela obra humana, Deus não haveria nos dado essa dádiva.

Em Hebreus 10:11 diz: “Ora, todo sacerdote se apresenta, dia após dia, a exercer o serviço sagrado e a oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca jamais podem remover pecados. Os sacrifícios do Antigo Testamento não poderiam remir perfeitamente. E Hebreus 9:14 diz, “quanto mais o sangue de Cristo, o qual mediante o Espírito eterno, se ofereceu a si mesmo sem mácula a Deus.”... A purificação do pecado é imutável.

Em João 1:29 diz: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!” Ao dizer o pecado do mundo isso não implica somente nas iniqüidades cometidas até o dia de hoje. O pecado do mundo implica em todos os pecados cometidos enquanto o homem viver. Deus supera o tempo e o espaço, incluindo assim o nosso pecado em sua totalidade. Não há exceção, mas alguns pensam que Jesus somente perdoou ao ‘pecado original’.

Devemos nos libertar do prejulgamento de que Jesus somente carregou o pecado de hoje. O pensamento do Senhor é diferente do pensamento humano. O pesado fardo que o Senhor levou inclui o nosso pecado, então poderemos descansar mesmo que tenhamos muitos defeitos, e apesar de que vivamos neste mundo, podemos dizer que somos santos. Se alguém entender o evangelho não pode pensar em pecar deliberadamente.

Voltar ao Índice