Coluna 2001

Citara

 


“Tem um som incrível.
Nunca havia escutado um som tão
bonito como este na minha vida.”
“É uma honra.” “Como de um
instrumento tão pequeno como este
pode sair semelhante som?”

“Este instrumento foi criado por um profissional.”

Há muito tempo atrás, um rei ofereceu um banquete no palácio. Entre muitos eventos, um músico saiu para tocar um instrumento que era uma espécie de cítara e o seu som era tão lindo que o rei se assustou. Depois do banquete, o rei chamou ao músico e lhe pediu para que tocasse outra vez. E conversando com ele, o músico lhe disse que a sua técnica não era muito especial, mas este instrumento do tipo de cítara havia sido feito por um profissional. Esse profissional fabricava esses tipos de instrumentos como a cítara.

Imediatamente o rei chamou a essa pessoa que fabricava esse instrumento e lhe perguntou: “Como você pôde fazer um instrumento com um som tão harmonioso?”

Ele respondeu: “Para fazer esse instrumento tem que se concentrar mentalmente. No começo, quando uma pessoa quer concentrar o seu pensamento, jejua por dois dias, fazendo desaparecer a ambição de fabricar um bom instrumento. Depois, jejuando por dois dias mais, ele querer se tornar numa pessoa famosa por causa desse instrumento e vendê-lo por um preço caro e viver bem, tudo isso desaparece. E jejuando por mais um dia, já não há mais pensamentos sobre esse mundo e silenciosamente essa pessoa pode escutar um som fino do instrumento. Desta maneira, quando uma pessoa esvazia o seu coração pode fazer um instrumento como este, com um som semelhante.”

Geralmente, no coração de um homem há muitos desejos. E estes desejos conduzem as pessoas e formam as obras em desejo; as pessoas facilmente passam dos seus limites e pecam. Por isso, a pessoa tem que esvaziar o seu coração de todas as coisas que a faz alcançar algo responsavelmente.

Dizem que uma pessoa que acaba de começar a aprender natação põe uma força ao começar a nadar, mas depois, quando se torna num nadador profissional, não precisa colocar muita força, se não que precisa relaxar para que o corpo fique mais flexível e possa nadar como a correnteza de água. Assim como o nadador tem que aprender como se relaxar para nadar bem, nós, quando fazemos as coisas, temos que esvaziar o nosso coração para que as coisas dêem certo e com harmonia. Se fizermos as coisas com desejo em nosso coração, as coisas sairão de forma ruim por causa desse desejo. Por isso, podemos dizer que uma pessoa é grande quando se despoja facilmente de seus desejos.


Colunista: ospark@goodnews.or.kr